Eset adquire controle da Comdom

31/05/2010 09:44

A Eset, especializada no desenvolvimento de software de segurança para computadores e celulares, anuncia a compra da Comdom, empresa eslovaca desenvolvedora de antispam.

Esta é a segunda aquisição feita pela Eset, que em 2008 incorporou a empresa tcheca Setrnet, ampliando a oferta de serviços de segurança da informação. A Comdom Antispam é uma marca com várias certificações, incluindo o certificado ICSA Labs Antispam e o West Coast Labs Checkmark, conquistados em 2008.

Tamanho da fonte: -A+A

A Eset, especializada no desenvolvimento de software de segurança para computadores e celulares, anuncia a compra da Comdom, empresa eslovaca desenvolvedora de antispam.

Esta é a segunda aquisição feita pela Eset, que em 2008 incorporou a empresa tcheca Setrnet, ampliando a oferta de serviços de segurança da informação. A Comdom Antispam é uma marca com várias certificações, incluindo o certificado ICSA Labs Antispam e o West Coast Labs Checkmark, conquistados em 2008.

De acordo com a Eset, a recente operação reafirma o compromisso com a investigação, desenvolvimento e atinge, após dois anos, o investimento feito no seu Centro de Desenvolvimento na Cracóvia, Polônia.

"Somos uma empresa dedicada ao desenvolvimento e pesquisas que serão beneficiadas com a fusão. Tendo em vista nossa equipe de programadores e investigadores especializados, antecipamos a introdução de novas atividades, bem como novos potenciais para o desenvolvimento de soluções de segurança”, afirma Camillo Di Jorge, Country Manager da Eset.

A matriz da Eset está localizada na Bratislava (Eslováquia), sendo que a empresa conta com  escritórios de coordenação global em San Diego (Califórnia, EUA), Londres (Reino Unido), Praga (Republica Checa), Cracóvia (Polônia) e Buenos Aires(Argentina).

Além de seu produto carro-chefe, o antivírus Eset Nod32, desde 2007 a companhia oferece a solução Smart Security, que integra a  proteção proativa do Nod32 com um firewall e um anti-spam.

O download da versão mais recente das soluções da Eset pode ser realizado pelo site relacionado abaixo.

Veja também

Com US$ 5 mi, eslovaca Eset abre no Brasil
A Eset, empresa de Bratislava, Eslováquia, especializada no desenvolvimento de soluções para segurança da informação anuncia um investimento de US$ 5 milhões para instalar uma unidade no Brasil.

O montante será investido ao longo dos próximos três anos em ações de marketing, estabelecimento da unidade física, construção de uma rede de canais, entre outras atividades, informa o ComputerWorld.
Brasil é campeão mundial em spams
O Brasil é campeão mundial em envio de spams, com 14% do lixo virtual gerado em todo o mundo, segundo dados da Panda Security.

No país, o principal foco das mensagens indesejadas é a fraude bancária, conforme a pesquisa, para a qual foram analisados cinco milhões de e-mails de spam gerados em janeiro e fevereiro deste ano.

Em segundo lugar no ranking mundial vem a Índia, com 11%, e, em terceiro, a Coreia do Sul.
 
Reclamações de spam sobem 422%
O número de notificações de spam sofreu aumento de 422% junto no ano passado.

Foi o maior aumento registrado pelo Centro de Estudos, Resposta e Tratamento de Incidentes de Segurança no Brasil (CERT.br), um dos serviços disponibilizados pelo Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br).

Ao todo, foram mais de 17 milhões de reclamações, segundo dados baseados em notificações recebidas pelos serviços SpamCop e Abusix.org.
Twitter: anti-spam filtra URLs
O Twitter começou a filtrar as postagens com links para sites mal-intencionados postados por spammers e divulgados utilizando os trending topics do site.

Quando um usuário do Twitter tenta inserir um link para uma URL conhecida por conter malware ou phishing, surge a mensagem em inglês “Oops! Your tweet contained a URL to a known malware site!” (Ops! Sua mensagem contém uma URL para um site conhecido por conter malware!) e, após alguns segundos, a mensagem é apagada.
Antivírus gratuito: uma falsa segurança?
Fábio Ferragi, gerente de produtos da Telium Networks, publica artigo no Baguete nesta sexta-feira, 19.

O texto fala sobre o nível de segurança oferecido pelas opções gratuitas de antivírus, com destaque para o problema da ausência na maioria delas de uma ferramenta de gerenciamento e o consequente risco de deixar nas mãos dos usuários a decisão pelas ações a serem tomadas.