Com R$ 1,3 mi, TIM migra rede para IPv6

07/11/2011 11:45

A TIM anuncia a disponibilidade comercial de sua rede IPv6, resultado de um investimento de R$ 1,3 milhão na evolução da infraestrutura, que ganhou em capacidade de roteamento e transporte de dados.

Com isso, o foco da operadora está em serviços como vídeo e IPTV, segundo explica Claudio Merulla, responsável pela Rede de Transporte da TIM Brasil.

Tamanho da fonte: -A+A

A TIM anuncia a disponibilidade comercial de sua rede IPv6, resultado de um investimento de R$ 1,3 milhão na evolução da infraestrutura, que ganhou em capacidade de roteamento e transporte de dados.

Com isso, o foco da operadora está em serviços como vídeo e IPTV, segundo explica Claudio Merulla, responsável pela Rede de Transporte da TIM Brasil.

“Agora, nossa infraestrutura de rede IP está preparada para oferecer a nova versão do protocolo de internet, o IPv6. Somos uma das pioneiras no país a disponibilizar o serviço comercialmente”, destaca ele.

O projeto de migração foi realizado em parceria com a Cisco e Promon Logicalis, que atuaram no planejamento técnico, fornecimento de equipamentos e soluções, além da própria configuração da rede e sistemas.

“Com a preparação da rede IP para a nova versão do protocolo, garantimos a expansão da quantidade de números de IP disponíveis e seguimos com a estratégia de expansão da base de clientes”, comenta Merulla.

O IPv6 sucede ao protocolo IPv4.

Segundo o executivo da TIM, hoje o número de novos IPs é quase imensurável, ficando numa ordem de 3,4 x 1038, em todo o mundo.

“O IPV6 chega para atender a um mercado de tecnologia em expansão, com previsão de mais de 20 dispositivos conectados à internet por pessoa nos próximos anos”, afirma ele. “O IPv6 também atenderá às novas necessidades dos clientes corporativos,e amigração acontecerá de maneira gradativa, com um período de convivência com o IPv4”, conclui.

Sobre o IP
Os IPs são utilizados para identificar em rede aparelhos eletrônicos como computadores, smartphones e tablets que trafegam dados na Internet e Intranets.

O endereço IP para identificar cada dispositivo é único e não pode se repetir na rede.

“Por isso, é necessário uma tecnologia que ofereça um maior número de endereços, considerando o incremento significativo de dispositivos que estarão conectados na rede”, explica Merulla.

Assim, os endereços do IPv6 foram criados para suprir a carência de números livres do IPv4, que hoje soma mais de 4,2 bilhões de números em uso, com previsão de esgotamento em meados de 2012.

O IPv6 representa cerca de 340 trilhões de trilhões de trilhões de vezes o espaço disponível na versão anterior, segundo dados do Registro BR, entidade responsável pela distribuição e controle de endereços IP no Brasil.

Veja também

Telebrás exige IPv6 no PNBL

De olho no esgotamento dos endereços do IPV.4, a Telebrás fez do IPv6 uma regra para fornecedores de enlace de comunicação do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).

Uma licitação da estatal exige que a empresa contratada tenha capacidade de prover IP nas versões IPV.4 e IPV.6 nativas, com suporte a aplicações IP em conformidade com todos os padrões e recomendações relevantes da IETF.

Telefônica anuncia IPv6. IP esgota em 15 dias

A Telefônica anunciou, durante a Campus Party, seu primeiro grande bloco de conexões via protocolo IPv6.

O protocolo, lançado em parceria com a Futura Networks, vem para substituir os endereços Internet Protocol (IP), que, segundo pesquisa da Internet Assigned Numbers Authority (Iana), autoridade internacional responsável pela concessão de números de IP aos países, se esgotarão dentro de 15 dias.

IPv6: teste de fogo com Google e Facebook

Facebook, Google e Yahoo – sites que recebem mais de 1 bilhão de visitas por dia – participarão do primeiro teste em escala global do novo protocolo de transmissão de dados da Internet, o IPv6.

O teste será realizado em 8 de junho, data chamada de Dia Global do IPv6.

Além dos nomes já citados, empresas como Akamai e Limelight Networks também participarão do teste do IPv6, patrocinado pela Internet Society (ISOC).

NIC.br lança validador para IPv6

O NIC.br passa a disponibilizar a partir desta segunda-feira, 28, uma ferramenta online que verifica se websites estão preparados para o novo protocolo de transmissão de dados da Internet, o IPv6.

Desenvolvida pelo Centro de Estudos e Pesquisas em Tecnologia de Redes e Operações, a ferramenta permite testar o funcionamento de sites via IPv6, estimulando a disseminação e a implantação do novo padrão.

Blue Coat lança otimizador de IPv6 em WAN

A Blue Coat Systems lança o appliance MACH5, para otimização de redes WAN.

A solução, conforme divulgado pela companhia, é a primeira do mercado com recursos para aceleração e otimização de conteúdos e aplicações tanto em IPv4 como em IPv6, incluindo acesso a arquivos, aplicações corporativas, vídeo ao vivo e on demand, serviços em nuvem e conteúdos web.

O appliance da Blue Coat também opera em ambientes mistos (IPv4 e IPv6).

Enterasys: proteção para redes IPv6

A Enterasys Networks lançou uma nova versão do seu sistema de proteção de redes para estruturas baseadas no  Ipv6.

O novo Enterasys Intrusion Prevention Solution (IPS) faz  análise de tráfego VoIP, verificação de assinaturas de vulnerabilidades, análise de protocolos, e análise comportamental das redes com captura total de pacotes e reconstrução completa das sessões.

Falha prejudica serviços da TIM no Sul

Uma falha em linha de transmissão prejudicou o serviço de clientes da operadora TIM em partes dos três estados do sul do Brasil na noite da última quinta-feira, 03.

A assessoria de imprensa da empresa informou que houve dificuldade em realizar ligações, mandar torpedos e acessar a Internet na área de prefixo 51, Santa Catarina e Paraná.

No Rio Grande do Sul, as principais cidades atingidas foram Porto Alegre, São Leopoldo e Novo Hamburgo, informa o site do jornal Zero Hora.

TIM dobra lucro no 3T11 a R$ 317 mi

A TIM encerrou o terceiro trimestre do ano com faturamento de R$ 4,4 bilhões, alta de 18,9%. No período, a operadora mais que dobrou o lucro, para R$ 317 milhões.

Segundo a empresa, o crescimento na participação dos smartphones em sua base ajudou a impulsionar a receita com serviços, que chegou a R$ 834 milhões. No ano, os celulares inteligentes chegaram a 19,5% do total de aparelhos.

A base de assinantes subiu 26,2%, chegando a 59,2 milhões de usuários.