Tamanho da fonte: -A+A

De olho no esgotamento dos endereços do IPV.4, a Telebrás fez do IPv6 uma regra para fornecedores de enlace de comunicação do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL).

Uma licitação da estatal exige que a empresa contratada tenha capacidade de prover IP nas versões IPV.4 e IPV.6 nativas, com suporte a aplicações IP em conformidade com todos os padrões e recomendações relevantes da IETF.

Os protocolos deverão ser fornecidos de forma imediata no ponto de presença (POP) de São Paulo.
 
Além disso, diz o documento, a contratada deverá instalar equipamentos para conexão bidirecional – com velocidades semelhantes – e o serviço de trânsito entre os POPs em São Paulo, Fortaleza, Brasília, Rio de Janeiro e a rede Internet internacional.

Segundo o site Convergência Digital, a contratada que tenha POP em Brasília, Fortaleza e Rio de Janeiro deve também estar capacitada para prover conectividade de transito IPv6 nativa com pelo menos um fornecedor.

As velocidades de acesso contratadas variam de 250 Mbps a 10 Gigabits, sendo que nos POPs a conexão terá de ser em 10 Gibabits.

Os preços serão contabilizados de acordo com a velocidade ofertada.

Versão mais atual do protocolo IP, o IPv6 é fruto do esforço para criar a nova geração do IP.

O protocolo está sendo implantado gradativamente na Internet e deve funcionar lado a lado com o IPv4 por algum tempo.

No longo prazo, o IPv6 tem como objetivo substituir o IPv4, que só suporta cerca de 4 bilhões de endereços IP (quatro seguido de nove zeros), contra cerca de 3,4 mil undecilhões (3,4 seguido de 38 zeros) de endereços do novo protocolo.

A previsão atual para a exaustão de todos os endereços IPv4 livres para atribuição a operadores é de julho de 2011. 

Leia a matéria completa do Convergência Digital nos links relacionados abaixo.