1º DA AL

Siemens abre centro de Smart Grid no PR

19/04/2012 17:50

A Siemens vai instalar em Curitiba seu primeiro centro de pesquisa e desenvolvimento voltado às soluções Smart Grid na América Latina.

O empreendimento, anunciado oficialmente nesta quinta-feira, 19, vai ocupar dois prédios do Parque Tecnológico da PUC-PR e é parte do pacote de US$ 600 milhões em investimentos anunciados pela companhia para expansão da capacidade produtiva no país.

Foto: Surber / Flickr

Tamanho da fonte: -A+A

A Siemens vai instalar em Curitiba seu primeiro centro de pesquisa e desenvolvimento voltado às soluções Smart Grid na América Latina.

O empreendimento, anunciado oficialmente nesta quinta-feira, 19, vai ocupar dois prédios do Parque Tecnológico da PUC-PR e é parte do pacote de US$ 600 milhões em investimentos anunciados pela companhia para expansão da capacidade produtiva no país.

Em um primeiro momento, o centro curitibano concentra atividades nas áreas de software e soluções para gestão e automação de sistemas de energia.

“Desenvolveremos tanto soluções para o mercado brasileiro quanto de aplicação global”, afirma Guilherme Mendonça, diretor da Divisão de Negócios Smart Grid da Siemens do Brasil.

Já Paulo Stark, CEO e presidente do Grupo Siemens no país, destaca também o interesse da companhia no mercado local de óleo e gás, e afirma que o Brasil tem assumido “uma posição de vanguarda” nos investimentos da companhia.

A Siemens já possui seis centros de pesquisa e tecnologia no Brasil.

Em 2011, a empresa havia anunciado planos para instalação de um dos mais avançados centros de P&D voltados para o setor de petróleo e gás no Parque Tecnológico na Ilha do Fundão (RJ), em parceria com a UFRJ.

“Esta unidade será entregue em dezembro deste ano. Com o anúncio do novo empreendimento em Curitiba, passaremos a contar, ainda em 2012, com oito centros de P&D no país”, finaliza Stark.

Smart Grid no Brasil

Hoje, a Siemens está envolvida na implantação de redes Smart Grid em diversos países, incluindo soluções para automação de redes de distribuição, medição inteligente, infraestrutura de carregamento de veículos elétricos, entre outras.

Por aqui, a companhia assinou, no fim de 2011, um contrato com a Light, concessionária de energia do Rio de Janeiro, para instalação de um sistema que será responsável pela supervisão e controle remoto de 500 câmaras subterrâneas, onde estão localizados os transformadores da rede de energia no centro da capital carioca.

Além disso, em consórcio com o Cepel (Centro de Pesquisas de Energia Elétrica do Sistema Eletrobrás) a empresa é responsável por fornecer um novo sistema de gerenciamento de energia para o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS).

A tecnologia irá integrar os quatro centros de operação regionais e o nacional, disponibilizando comunicação e compartilhamento de dados entre as diferentes localidades do território nacional.

O setor Infrastructure & Cities da Siemens conta com aproximadamente 87 mil colaboradores e oferece tecnologias sustentáveis para áreas metropolitanas e suas infraestruturas, incluindo soluções de mobilidade, TI predial e de segurança, distribuição de energia, aplicativos para redes, entre outros.

O segmento abrange as divisões Rail Systems, Mobility and Logistics, Low and Medium Voltage, Smart Grid, Building Technologies e a Osram AG.

Histórico local

No Brasil há mais de cem anos, a Siemens garante ser o maior conglomerado de engenharia elétrica e eletrônica do país, com atividades agrupadas em quatro setores: Industry, Energy, Healthcare e Infrastructure & Cities.

As primeiras atividades da empresa no Brasil datam de 1867, com a instalação da linha telegráfica entre o Rio de Janeiro e o Rio Grande do Sul.

De lá para cá, cresceu muito, e hoje equipamentos e sistemas da Siemens são responsáveis por 50% da energia elétrica gerada no país.

Além disso, 30% dos diagnósticos digitais por imagem realizados no Brasil também levam tecnologia da empresa, garante Stark.

A Siemens Brasil conta com 10.160 colaboradores, 13 fábricas, além dos centros de P&D já mencionados.

Veja também

Light investe R$ 35 mi em smart grid

A Light acaba de assinar um contrato de investimentos da ordem de R$ 35 milhões em projetos de P&D em smart grid com a CAS Tecnologia, CPqD e Lactec.

O contrato prevê a criação de novos medidores de energia com certificação digital, além da expansão do portfólio de serviços prestados aos clientes, como a criação de novos canais de interação.

AES Eletropaulo: 2 mil leitores smart grid

A AES Eletropaulo inicia em março a operação do projeto piloto de smart grid no bairro do Ipiranga, em São Paulo.

Segundo divulgado pela distribuidora, os medidores eletrônicos serão integrados ao sistema de automação e operação da concessionária para analisar, inicialmente,  dados de dois mil clientes.

CHAMOU PRA BRIGA
CAD: Siemens PLM cutuca SolidWorks

A Siemens PLM partiu para cima da SolidWorks com a divulgação de um case de migração que tira máximo proveito da insegurança existente na base de clientes da concorrente sobre uma futura migração de kernel da solução de CAD 3D da SolidWorks.

 

Siemens PLM: Tecnomatix tem nova versão

A Siemens PLM Software lançou a versão 10 da solução de manufatura digital Tecnomatix.

Brasil ileso em cortes da Nokia Siemens

O corte de 17 mil colaboradores anunciado pela Nokia Siemens Networks esta semana, como parte do que a empresa chamou de “reposicionamento estratégico”, deve ter impacto ameno no Brasil.

Conforme avaliação de fontes próximas à empresa e citadas pela Exame.com, a Nokia Siemens no Brasil não tem nenhum contrato relevante nas áreas que deixarão de fazer parte do portfólio da empresa.

Siemens faz compra na área de PLM

A divisão de automação industrial da Siemens comprou a Vistagy, uma empresa americana focada em software e serviços de engenharia com ênfase em desenho e manufatura de estruturas feitas em materiais compostos avançados.