Tamanho da fonte: -A+A

O CPqD está iniciando a implantação da sua solução supervisão da rede óptica na operadora de telecomunicações Movistar do Chile, que pertence ao Grupo Telefônica e oferece serviços de telefonia fixa, móvel, banda larga e de TV por assinatura.

O contrato prevê a instalação e configuração de componentes de software e de hardware na rede que chega à casa dos usuários  - tecnologia conhecida como FTTH.

Segundo a operadora, objetivo é garantir a qualidade dos serviços oferecidos.

“A solução permite detectar e identificar falhas ocorridas nas fibras que atendem às redes FTTH mostrando a localização geográfica, o que agiliza as correções”, diz Ronaldo Gonçalves, gerente de Mercado Internacional do CPqD.

A implantação da solução do CPqD será feita, inicialmente, nas seis principais estações da rede FTTH da Movistar em Santiago, capital do Chile.

A expectativa é que, ainda em 2011, a solução venha a atender toda a região metropolitana de Santiago. O contrato com a operadora também prevê a prestação de serviços especializados, pelo CPqD, de capacitação e suporte técnico.

Com 35 anos de atuação, o CPqD conta com mais de 1,2 mil profissionais. Entre os clientes da instituição está a CEEE, companhia de energia gaúcha, que encomendou um estudo de viabilidade do mercado do telecom à consultoria.

Internacionalmente, a empresa atende a Research In Motion (RIM, fabricante do Blackberry), a operadora norte-americana Verizon e a Autodesk.

Em fevereiro, a empresa inaugurou o primeiro laboratório brasileiro de referência na tecnologia RFID, com investimentos de R$ 8 milhões do Finep, e R$ 800 mil do próprio CPqD. O local conta com uma câmara semianecóica, de sete metros de altura, 19 de comprimento e 10 de largura.

Atualmente a maior operadora chilena, segundo números próprios, a Movistar tem7 milhões de clientes – 41% da população do país – e 970 unidades de atendimento espalhadas pelo país.

Em 2010, os lucros da empresa foram de US$ 426 milhões, alta de 36% sobre o ano anterior.